NOSSOS BLOG'S

BLOGS: * das Xerifas - FORASTEIROS: * Tradição
Aqui, quando mortos, viveremos, quando mudos, falaremos.

domingo, setembro 30, 2007

SEMANA FARROUPILHA

Peço desculpas aos leitores pelo tempo que passei impossibilitado de escrever neste blog, e licença para prestar uma homenagem cultural, mesmo que tardia, a estes gaúchos que cultuam, muito mais que eu, os valores culturais da nossa terra, que foram forjados ao longo de uma história e que teve na revolução farroupilha, mais tarde guerra dos farrapos (tem diferença) o ponto mais alto na memória do nosso povo.
Não sou um historiador, apenas gosto de saber um pouco mais, já participei muito de CTGs incluindo varias diretorias culturais , daí minha necessidade de procurar o correto para passar aos companheiros. Toda história pode ser contestada e debatida por isso temos que separar sempre o joio do trigo, antes que as interpretações fossem contaminadas, por isso trazemos como homenagem aos tradicionalistas e simpatizantes um pouco de luz para que não se perca aquele sentimento gaúcho que nos enche de orgulho.
A revolução farroupilha não foi, simplismente, uma luta de estancieiros buscando diminuir o imposto sobre o charque e o couro (principais produtos produzidos no solo gaúcho da época), e uma reinvidicação de sobre-tacha ao charque Uruguaio, que era comprado pelo centro do país a preço menor do que o custo do charque gaúcho, causando danos no nosso comércio, o que restringiria uma causa dos estancieiros. o charque (impostos) serviu de gota d’agua para o inicio da revolução, os problemas vinhas de anos de desgosto de setores da sociedade, que somente unidos conseguiriam levar adiante as reinvidicações, apesar dos fazendeiros terem seus próprios exércitos e formarem uma grande força, mas não seria suficiente.
Outros fatores da guerra dos farrapos:
· Muitos portugueses mantinhan-se nos mais altos cargos do império mesmo depois da independência, os farrapos o partido liberal (farrapos) pregava a saída deles e o partido restaurador (conservador, caramurus) pregava a união a Portugal.
· Abolicionistas e os escravos que lutavam pela liberdade (na Republica Rio- Grandense os negros eram livres)
· Os militares que estavam desgostosos com o tratamento dado aos seus do Rio Grande que não tinham vez no cenário nacional, sendo sempre renegados ao segundo plano em detrimento aos militares do centro do país.
· As idéias liberais e democráticas disseminadas por estrangeiros aqui exilados.
· Os aumentos nas idéias separatistas, já existentes.
· O descontentamento com a imposição de presidentes provinciais que iam contra o direcionamento da assembléia provincial.

.O avanço das idéias republicanas contra a monarquia.
Portanto, temos um prato cheio, pode-se contestar ou concordar, porém grandes partes dos excluídos também entraram com seus motivos, associando-se no ideal farroupilha, contestasse detalhes, mas no todo, só quem esteve lá para afirmar uma história muito diversa desta, que é fruto de pesquisas somadas, eu não estive lá.
Um abraço a todos os gaúchos que mantém a índole guerreira de seus heróis.
Postar um comentário

Arquivo do blog