NOSSOS BLOG'S

BLOGS: * das Xerifas - FORASTEIROS: * Tradição
Aqui, quando mortos, viveremos, quando mudos, falaremos.

terça-feira, março 31, 2009

RODADA 023/2009-(Sexta-Feira 27.03.2009)

ESCALAÇÕES
LARANJA-(13)-Celso,Léo,Feck(1),Maninho(1),Ademar(2),Geraldo (3),Foguinho(5).
VERDE-(4)-Eduardo,Clenir,Hélvio,Beto,Valdemar,Paulo,Chico(1) e Miguel(3).
OBS.:- Um dos gols Laranja Beto fez contra.
CONCURSO PARCEIRO NOTA 10 Ninguém.
AREA DE SERVIÇO-Helga, Foppa e Celita na copa e na churrasqueira Beto do Goiabinha que adiantou o expediente para o Clenir.
NA SALA DE VISITA Sônia Feck,Sandra Hélvio,Marlene Clenir,Salete Valdemar,as netas do Clenir, Gabriela, Maíssa e Luana, neto do Valdemar, Vitorhugo, o filho do Eduardo, Gabriel.
MEUS COMENTÁRIOS
(*)-Acontecem coisas que a maioria do pessoal nem fica sabendo, por isso continuo indigninado
(*)-No mais sem comentário.

domingo, março 29, 2009

Celso se isola na liderança

Faltando duas rodadas, o Celso, com a vitória conquistada na 3ª feira, 24.03, deixa para trás o Eduardo e se isola na liderança. A rodada de 6ª pode definir o campeão ou embolar ainda mais.
Ficha Técnica
Azul: Luciano, Beto (1), Celso (2), Chico (7) e Clenir. Laranja: Eduardo, Foguinho (2), Foppa (1), Maninho (2), Miguel (1) e Valdemar (1).
Visita e mesário: Ademar.

terça-feira, março 24, 2009

Eduardo e Celso embolam na liderança.

Com o resultado da última 6ª feira, o Eduardo literalmente colou na liderança junto com o Celso. Estão iguais em tudo: pontos, saldo de gols e aproveitamento. Vamos ver, a partir de hoje, quem vai se adiantar e quem vai ficar marcando passo. Ou será que serão alcançados por alguém de vem de trás (e não por trás) e serão ultrapassados?

Integridade!!!

Êta palavrinha fora de moda, difícil de se praticar mas que, quando posta em prática, modifica a qualidade das relações humanas e, em consequência, a qualidade da nossa vida.

Quando praticada por um grupo então, faz ele crescer e se dar cada vez melhor.

Seja na hora de "levar vantagem", seja na hora do "vâmo vê".

Seja num lance dentro da quadra, que só eu sei o pêso da maldade que nele imprimi ou da vantagem que dele usurpei, seja na hora de dividir uma conta com imparcialidade, que só eu sei o quanto de imparcialidade pratiquei, seja na hora de "comentar uma atitude", que só eu sei o resultado que visei.

Que Deus, considerando a minha condição humana me dê, pela maior parte de tempo possível ...

... sabedoria para ter, rotineiramente, atitudes íntegras para com minha família, amigos, natureza e sociedade em geral, permitindo que distinga e reconheça, com clareza, aquelas que são daquelas que não são;

... fôrça para manter, mesmo na tentação e na adversidade, o caminho justo e reto por ela exigido;

... sensibilidade e capacidade para construir ambientes onde prevaleça o amor, a beleza, a paz, o equilíbrio, a satisfação, a harmonia e a felicidade.

... humildade na hora de reconhecer um erro cometido e de me desculpar junto àqueles que se sentiram ofendidos e/ou prejudicados, retornando, principalmente, o mais rápido possível a praticá-las;

Amém!!!

Assista o vídeo:
video

domingo, março 22, 2009

RODADA 021/2009(Sexta-Feira 20.03.2009)

ESCALAÇÕES
AZUL -(09)-Eduardo,Chico,Feck,Hélvio,Léo(1),Paulo Pires(2) e Maninho(6).
LARANJA -(07)-Ildo,Ademar,Miguel,Valdemar,Beto(1),Celso(2)e Foguinho(4).
NA MESA DE ANOTAÇÕES - Gabriel filho do Goleiro AZUL Eduardo e Leonardo filho do Goleiro LARANJA Ildo.
CONCURSO NOTA DEZ-Ninguém.
AREA DE SERVIÇO
Na Copa - Foppa, Helga e Celita.
Na Churraqueira Beto Goiabinha.
SALA DE VISITAS
Sônia Feck,Sandra Hélvio e Claudia Celso que deram aquela mãozinha na salada.
Bruno Foguinho,Thaniel Eduardo.
Ainda se fizeram presente Almir cunhado do Ildo e seu filho Juliano, além do Fernando.
Se não me engano a Salete Valdemar com o Vitorhugo passaram por lá mas não ficaram.
MEUS COMENTÁRIOS
(*)-ROBERTO CARLOS NASCIMENTO, este é nome completo do Beto Goiabinha. Nome do REI da jovem guarda e sobrenome do REI do futebol. Para nós se ele for um bom parceiro e bom churrasqueiro já está de bom tamanho, não precisa ser REI.
(*)-Tem gente se passando na jogada com relação as reclamações e contaminando o grupo,gente que nunca reclamava está reclamando.
(*)-Não é o Ranking, muito menos o Blog, aqueles que estão se execedendo sabem disso, portanto não é falta de conciência.
(*)-Convém dizer que muitas vezes me sinto ofendido antes mesmo de entrar na quadra,
por gente que deveria dar exemplo, pela vida que levam fora do Forasteiros e dentro das igrejas.Por isso que estive pensando recentemente e largar fora, assim como sinto que gente boa está largando.

quinta-feira, março 19, 2009

São ILDO

Com uma atuação de luxo o Ildo fechou o gol na terça feira, chutes de todos os lados, somente bolas impossíveis de pegar passaram e quase que o goleiro iluminado garante a vitória, Celso numa jogada individual ( a única no jogo que encaixou) marcou o gol de empate no quatro a quatro, Maninho 3 para um lado e Miguel 3 para o outro mais o gol do Paulo de Esteio, fizeram um empate justo, alguns disseram que o jogo só foi parelho porque algum jogador que não estava não pode desequilibrar negativamente.
Nós temos com o Eduardo um´bom goleiro, mas tem algo nele que atormentava o Ildo e hoje ele ja superou, a saída do gol, embaixou dos "paus" exelente mas não sai e facilita para o atacante que fica com o gol maior e com mais opções. Maninho e Celso babaram mas foram úteis, Feck marcou muito e não comprometeu melhorou a marcação, Chico não acertou nem um chute espirita, clara, estava jogando ao meu lado, contra mim são uns leãos.
Além do Ildo méritos para o Miguel que acerta 30% das chances de gol criada. Tudo certo, tudo bem...e o resultado justo.

quarta-feira, março 18, 2009

RODADA 020/2009-(Terça-Feira 17.03.2009)

ESCALAÇÕES
LARANJA-(4)-Eduardo,Feck,Hélvio,Chico,Celso(1) e Maninho(3).
AZUL-(4)-Ildo,Ademar,Beto,Geraldo,Valdemar,Paulo Pires(1) e Miguel(3).
NA MESA DE ANOTAÇÕES
-Thaniel
NA COPA
Foppa e Helga.
MEUS COMENTARIOS
* Voltei depois 15 dias de férias, entrei meu time estava perdendo por 3 x 0, empatamos 4 x 4, portanto ganhei de 4 x 1.

domingo, março 15, 2009

Em dia de churrasco digno de ser comentado, Galo Missioneiro vence e se mantém na liderança


Churrasco à vontade e por apenas R$ 6,00, merece uma homenagem especial. Para dar água na boca de quem não foi, abaixo algumas fotos deste evento digno de ser comentado. Ba-bem!!!
Quanto aos resultados das últimas rodadas, o que se vê, é que depois de dois meses meio que adormecido, dando uma luz para o resto da turma, o Celso, nosso multi-campeão e conhecido Galo Missioneiro, desperta e entra com força na briga pelo título de março. Com a vitória na rodada de 3ª assumiu a liderança e na de 6ª a confirmou.
Está isolado com 12 pontos ganhos e um saldo de 21 gols. Logo atrás, com 9 pontos, estão o Eduardo, com saldo 17, Léo, saldo 13 e Miguel, saldo 5. A seguir, com 6 pontos, Chico com saldo 11 e Maninho com saldo 1. Apesar de existirem ainda 5 rodadas e 15 pontos em jogo, o título do mês deverá ficar com um destes atletas. A não ser que, além do sorteio das cartas ajudarem, quem vem atrás, com 3 pontos ganhos, vença todas.

FICHA TÉCNICA DA 18ª RODADA - 3ª FEIRA - 10.03.2009:
Laranja (13): Eduardo, Maninho (5), Chico (4), Celso (4) e Beto.
Verde (5): Ildo, Miguel (1), Ademar (1), Foguinho (1), Hélvio e Valdemar (2).
Visitantes: Thaniel, Bruno e Alexandre, filhos de Eduardo, Foguinho e Hélvio respectivamente.
Mesário: Betinho, o Goiabinha.

FICHA TÉCNICA DA 19ª RODADA - 6ª FEIRA - 13.03.2009:
Verde (9): Eduardo, Celso (1), Ademar (3), Maninho (3), Miguel (2) e Léo.
Laranja (6): Ildo, Chico (2), Foguinho (2), Geraldo (2), Paulo Pires, Valdemar e Beto.

Nota 10: Feck, retornando de viagem e com muitas histórias para contar, e Hélvio, que só chegou da hora do "bem bom" e ajudou a esquentar o papo sobre os assuntos publicados no Blog na última semana.
Visitas: Sras. Cláudia, Sandra e Salete, que veio acompanhada da sobrinha Luziane e do neto Vitorhugo, espôsas dos Forasteiros Celso, Hélvio e Valdemar respectivamente. Os meninos Bruno e Thaniel, constantes presenças, prestigiando o futebol dos pais Foguinho e Eduardo.
Churrasqueiro: Foguinho, pilotando um baita d'um churrasco.
Mesário: Beto, o Goiabinha. Tem gente confundindo Goaibinha com Abobrinha. O Beto já avisou: acertem meu c... mas não errem meu apelido. Cuidado Beto!!! Com estes caras que confundem fruta com vegetal, tudo pode se esperar!!! Vá lá que eles aceitem a sugestão e...?!?!?!
PS.: As fotos do churrasco publicadas acima são de outro, parecido com um que fizemos outro dia lá no galpãozinha que fica no fundos de casa. "Matamo" umas cabecinha de gado e "engrachamo" umas cinco gerações de bigodes. Isto de quem não tem. Dos que tem, nem se fala!!! Tá duvindando??? Então pergunta pro Zeca prá vê se eu não tô mentindo, ô papudo!!!!

segunda-feira, março 09, 2009

Certo? Errado? Verdade?

Desculpe caro Hélvio, mas a tua interpretação de eu ter tentado "botar 'goela abaixo' o que é certo e errado" carece de ... verdade.
Em primeiro lugar, o que criticas em primeiro lugar ao referir-se a regra de ouro da ética, QUE NÃO É MINHA mas que assim já foi considerada no mundo inteiro, não leva em consideração toda a exposição anterior feita por mim sobre a necessidade da sua universalidade (ver o que está escrito ao lado da figura do "enforcado" Burt Reynolds). Nem consideraste as outras regras que exponho no fim do artigo, na frase do dia, em que textualmente as considero mais universais, em outras palavras, mais completas. Ou seja, são os princípios (boa conduta e regras citadas por ti) que grandes pensadores, NÃO EU, que passaram suas vidas matutando em como construir uma vida mais justa e igual, concluiram que deveriam ser adotadas por uma sociedade. De qualquer forma, não foi meu desejo nem será possível falar aqui sobre todos os aspectos da ética. Até por não conhecer todos.
Em segundo lugar, tu só pode estar me gozando na questão dos gols, laterais, faltas, etc. citadas por mim, ao considerar que quando me refiro a elas como anti-éticas estou me referindo a lances fortuitos e de dupla interpretação. Para ficar claro, quando me refiro a elas, estou me referindo às contundentes e permanentes crítica feita à qualidade do futebol de alguns companheiros, a quase permanente dificuldade de se sair de quadra e ceder o lugar ao companheiro e dos lances irregulares cometidos conscientemente e que, conscientemente, são escamoteados com o objetivo de se levar alguma vantagem. Ou tu "acha" que nada disso acontece nos nossos jogos?
Em terceiro lugar, quanto a questão do placar, fala sério! Os termos, "poderia, por que não", ser ampliado, convenhamos, não cabe ser interpretado como "provávelmente". O motivo para escrever tal frase, visava atingir duas questões. A primeira, não foi com o intuito de tentar ADIVINHAR o resultado que poderia ocorrer nos últimos minutos, mas de servir de contra-ponto para a possibilidade oposta de outra ADIVINHAÇÃO: a de poder haver um empate ou uma virada. A segunda, para fazer uma brincadeira em cima da dupla de (sómente) atacantes Fo-Mi (Foguinho e Miguel). Só falta o Nha para ficar perfeita.
Quanto a questão de teres sido acusado injustamente de pedir para terminar com um determinado jogo, com o intuito de levar vantagem (se fosse o contrário que seria esquisito), não lembro. Mas se afirmas que não o fizeste, não tenho nada a contestar. Neste caso e em todos os casos que tal fato ocorrer, concordo, como concordei no meu caso, que se trata de uma atitude antidesportiva e, complemento concordando com a tua colocação, um desrepeito ao adverário. Como toda e qualquer tentativa de levar vantagem o é!!!! Sem nenhuma diferença entre elas.
Resumidamente:
- Concordo contigo ao afirmar que não foi o meu pedido o motivo para o Foppa terminar o jogo no horário que ele terminou.
- Não concordo com a tua colocação de "ele (Léo) achar que tudo está bem com o seu gesto". Se assim fôsse, não teria concordado em qualificar o episódio como anti-ético e ter pedido desculpas para o grupo. Claro que a "punição" é de brincadeirinha, o que não escondi ao afirmar que aproveitaria outro compromisso para cumpri-la. O problema que eu vejo no episódio não é pelo efeito que ele causou na prática, mas pelo efeito que poderia ter causado. E penso que este tipo de atitude, nem de brincadeira, pode ou deve se repetir.
- Não concordo, como já explicado acima, sobre a tua interpretação do texto sobre a minha disposição de querer adivinhar o resultado.
- Concordo que pode ter ficado subentendido no texto tratar-se de choro de perdedor. Se o texto for lido na íntegra e compreendido a sua razão, entenderás que não foi esta a intenção.
- Quanto ao "alhos e bugalhos", meu amigo, se não percebestes a importância de considerar ambos da mesma forma, é por que não compreendeste o motivo do artigo e de todo o auê. Ou pensas que me aproveitaria do ocorrido e daria tanta importância assim ao episódio se não fôsse para chamar a atenção para os demais problemas, citados anteriormente, que ocorrem durante uma partida, quer dentro da quadra, quer fora dela? Sem falar na quantidade de vezes que estes problemas ocorrem num só jogo, comparado com uma única possibilidade de se encerrar um jogo precocemente.
No mais, muito satisfeito fico ao ver a preocupação dos "companheiros que entenderam que a situação ultrapassou o âmbito do resultado". Quem sabe está na hora também de se preocuparem para que outras situações não o ultrapassem. Se não for com este objetivo, é querer supervalorizar o episódio e pregar "moral de cuéca"!!!

domingo, março 08, 2009

Verdades e Verdades

As coisas as vezes se tornam verdades absolutas se não há versões contrárias principalmente nas situações ocorridas na ultima sexta feira. È bonito quando temos alguém perto de nós que possui o dom da palavra, mas não é com manobras diversionistas de retórica que vão nos botar “goela abaixo” o que é certo ou errado.
Primeiro que ética não é “não querer para os outros o que não quero para mim”, ética é ter princípios de boa conduta, pois do contrário a cada mente uma ética diferente, ética pressupões normas.
Comparar, atitudes de interpretação de jogo (gols, laterais, faltas etc..),com fatos como o tempo do jogo que tem começo e fim estabelecido, não é correto, retirar tempo para favorecer A ou B por pressão é anti-ético fora das normas de boa conduta esportiva.
Quanto a situação de que provavelmente o placar seria mais dilatado com maior tempo não é verdade, pois já havíamos empatado três vezes e poderíamos faze-lo de novo, pois o jogo era parelho e um gol muda o emocional e a confiança.
Fui acusado injustamente em outros tempos de pedir para terminar o jogo antecipadamente para favorecer o meu time, isso não aconteceu realmente mas sofri pressão muito forte, pois seria desrespeito com o adversário, entendi, não acreditaram até hoje, acho que também outros poucos fizeram ou tentaram estão errados, assim como já terminaram jogos antecipado, por algumas belezas estarem com nervos a flor da pele outra coisa errada.
Achei o texto do Léo bem escrito mas não podemos ficar com a simples versão de que foi choro de perdedor, se não o folclore toma conta.
Estou certo de que o Léo não influenciou o término do jogo, o problema foi ele achar que esta tudo bem com seu gesto e querer adivinhar o resultado do jogo nos últimos 5 minutos e ainda comparar “alhos com bugalhos”.
Este comentário também foi pedido por companheiros que entenderam que a situação ultrapassou o âmbito do resultado.

Tupanciretã

Agradeço ao Léo o esforço e a brilhante pesquisa digna de qualquer tupanciretanense sobre a minha terra natal, o que me remete a ela com alegria e muita saudade.
Tupanciretâ é um pequeno município como relatado e com tendência a diminuir a sua população pois os jovens estão procurando novos rumos e oportunidades, como meu pai fez no janeiro de1970, la se vão 39 anos, já teve 26.000 habitantes, hoje menos.
Nos anos 70 a cidade foi muito marcada pelo frigorífico da “Serrana” uma cooperativa, abatiam-se 1400 reses por dia e era o maior da América latina empregando direta e indiretamente quase toda população ativa da época, era tão grande que tinha 5 andares o prédio, os bois subiam uma alta rampa (nem um se atirava de lá) e no quinto andar eram abatidos, a carne era trabalhada para exportação, principalmente para os Russos, no fina dos anos 80 foi a falência devido ao seu tamanho e administração.
O time Tupanciretã é o GEPO (Grêmio Esportivo Pedro Osório) que joga no estádio Municipal Natálio Herter, fica próximo a estação ferroviária, que esta também nas fotos, o GEPO jogou a segunda divisão por longo período.
Tupanciretão é a terra onde Homem é homem e Mulher é mulher, com exeção do "chalerão" (comentarista do jornal local)

Tupanciretã: Terra da Mãe de Deus e do Forasteiro Hélvio.



TUPANCIRETÃ (foto aérea, tendo aos fundos, a antiga charqueada de Marcial Terra), cidade do nosso amigo e companheiro Forasteiro Hélvio Gomes, possui uma população de aproximadamente 22.556 habitantes, dos quais 11.088 são do sexo masculino e 11.468 do sexo feminino. Deste total, em torno de 16,5% vivem na zona rural e 83,5% na zona urbana. Ocupa cerca de 2.253 kilômetros quadrados de área, localizando-se na mesorregião de Santiago e da microrregião ocidental do Rio Grande do Sul, à 389 km. de Porto Alegre, 109 de Santa Maria e 56 de Cruz Alta. Sua densidade populacional é de de quase 10,01 habitantes por Km² segundo o IBGE.
Originária das reduções Jesuíticas, foi emancipado em 21 de dezembro de 1928 pelo então Presidente do Estado do Rio Grande do Sul, Sr. Getúlio Vargas. Já fez parte dos municípios de Santo Ângelo, Cruz Alta e Júlio de Castilhos. Povoado inicialmente pelos índios charruas e minuanos, posteriormente por elementos de origem européia. Com a fundação das missões, foi estabelecido que os índios ficassem numa fazenda, na coxilha grande, imediações das nascentes dos rios Caneleira e Ijuí, que ficou pertencendo à redução de São João.
Com a retirada dos jesuítas, os índios venderam a fazenda e se retiraram, deixando muita terra em mãos de grandes fazendeiros, que mais tarde emanciparam o município. Após a emancipação, o município, através da criação de gado em suas enormes estâncias, passou a viver uma situação econômica priviligiada. Porém, com o passar do tempo, a carne perde seu valor e os estancieiros são obrigados a mudar de ramo ou a vender as suas terras. Parte destas ”estâncias" são transformadas em latifúndios para o plantio de soja, e outras, não utilizadas para este fim são compradas pelo governo e destinadas ao assentamento dos agricultores sem terra. Hoje em dia, o município passou a ser um dos maiores produtores de soja do estado, com as grandes e médias granjas. De outro lado temos um grande número de agricultores familiares responsáveis pela diversificação, pelo qual plantam soja, milho, feijão, mandioca, arroz e dentre outros produtos agrícolas, e que também vem ao longo dos anos intensificando a atividade leiteira, psicultura, suinocultura e outros produtos que são tanto para subsistência familiar bem como para comercialização.
Já na área urbana, o que mais predomina no município é seu comércio, as atividades principais são:
o varejo com vendas de produtos alimentícios, vestuário, eletrodomésticos, combustíveis, materiais de construção, produtos agropecuários e de uso veterinário, farmácias/drogarias e outros de menor expressão, instituições financeiras, empresas de comercialização de grãos e empresas de serviços.

A Lenda:
Segundo Manoelito de Ornellas "não há terra que não tenha, a parte de sua história, a ressaltar dentre o canhenho cronológico dos fatos, uma lenda, um motivo misterioso, que a crendice popular às vezes cria e a tradição consagra. Tupanciretã, que tem um passado com raízes profundas na vida missioneira, não podia escapar à fatalidade dessa contingência. O seu nome, tupan-ci-retan, encerra uma lenda. Todas as reduções jesuíticas foram batizadas com nomes de santos da igreja católica romana.
Aqui, porém, os jesuítas invocaram o nome da Mãe de Deus e o fizeram na língua bárbara, com a denominação pitoresca de tupan-ci-retan. A fazenda jesuítica apenas assinalada pela capelinha tosca, já existia no alto de um coxilhão deserto. E as árvores do mato crioulo, à tarde, projetavam-lhe sombra larga das suas ramarias. Ao lado, sob o amparo de uma cruz modesta, mal resistia a fúria das tempestades, um rancho pobre, coberto de palha, que tinha a finalidade amiga de acolher os poucos viandantes que por ali passavam. O local nada mais era do que um posto de São João.
Dentro da capelinha, tão pobre como esquecida, apenas uma imagem tosca enfeitava a tábua erguida como altar. Era uma imagem da Madona dos Céus, da Senhora dos crentes. Um dia, em que pelos caminhos mal delineados da serra, passavam um missionário e alguns poucos índios, uma tempestade os colheu nas proximidades do planalto da coxilha grande. A noite chegava e com ela o pânico e o terror. Quando a desorientação desesperava o padre e os poucos índios companheiros, um relâmpago lhes mostrou na fímbria do horizonte, em plena noite, um vulto mal definido.
A silhueta que os relâmpagos mostravam, perto, era a imagem da Madona exposta ao furor da tempestade, que arrebatara da capela pequenina a cobertura frágil. O sacerdote, cheio de alegria cristã, exclamou: “tupan-ci”. E os índios, aterrorizados, repetiram: “tupan-ci-retan”, que na língua indígena quer dizer: tupan= deus, cy= mãe, e retan = terra, ou seja “terra da mãe de deus.”


Hino:

Eu vou cantar minha terra - Meu pago, minha querência.
Que tantas belezas encerra - Dela eu lembro com frequência.

A terra dos meus encantos - Que tantas belezas tem,
Berço nato de gaúcho - Nela eu nasci também.

Tupanciretã, Tupanciretã - São lindos os encantos teus
Ó Terra da Mãe de Deus.

Charruas e Guaranis - Adotaram Pai Tupã.
Prá eles Ci era mãe - A terra era Etã.

E desta etmologia - Juntando os encantos teus,
Nasceu Tupanciretã - A Terra da Mãe de Deus.

Tupanciretã, Tupanciretã - São lindos os encantos teus
Ó Terra da Mãe de Deus

Quem conhecer minha terra - Verá quanta maravilha.
Aqui onde o gado berra - Onde ao potro de encilha

Rodeios e marcações - São lindos os encantos teus
Minha Tupanciretã - Ó Terra da Mãe de Deus.

Sites para pesquisar mais sobre Tupanciretã:
http://www.tupancireta.rs.gov.br/
http://www.tupancireta.com/
http://www.camaratupancireta.com.br/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tupanciret%C3%A3
http://www.tupancireta.famurs.com.br
http://www.sindicatoruraltupancireta.com.br/
http://www.rosanevolpatto.trd.br/tupancireta.html
http://www.riogrande.com.br/municipios/tupancireta.htm

sábado, março 07, 2009

Suspeita do jogo terminar antes da hora, gera revolta e protestos.


Sacanagem, xingaram uns. Isso não se faz, urraram outros. Falta de ética, gritaram os derrotados da noite. Toda esta balbúrdia em razão de uma abanada e de um pedido do Léo ao Foppa, que estava naquele momento atento e já a uns bons minutos com o dedo em riste no botão da sirene para dar o "apito final" e acabar com o jogo da 17ª rodada, que apresentava, naquele momento, o placar de 9x7 para o time dos Azuis. O pedido, feito à distância, foi um despretensioso "acaba com o jogo de uma vez Foppa", que, coincidência ou não, assim que realizado, de pronto foi executado. O Foppa afirma não ter cedido a nenhum tipo de pressão, terminando o jogo no horário que deveria ter terminado, nem um minuto à mais, nem um minuto à menos.
Alguns dos acusadores alegam que o jogo, terminado as 21:03, deveria ter terminado as 21:05. Outros, mais radicais, as 21:10. Outros ainda, a estas alturas com a sanidade já posta em dúvida, as 21:15. Independentemente do pedido ter sido atendido ou não, o fato é que o Léo, cansado ou não, consciente ou não, àquelas alturas, torcia para o jogo terminar e queria, com todas as forças, que o Foppa parasse de "namorar" o botão e o apertasse de uma vez. Desta forma, justifica-se, se não toda a gritaria, a crítica sobre a sua postura ética, sem justificar, é claro, a derrota, que poderia, por que não, ter sido ainda por um número maior de gols. A dupla responsável por 7 dos nove gols do time Azul, Fo-Mi (só falta o Nha), Foguinho (4) e Miguel (3), estavam influenciando e infernizando duplamente o placar: marcando muitos gols e não marcando ninguém.
Quanto à questão ética, considerando os princípios que procuro seguir, de fato foi maculada. Peço desculpas ao grupo e, como auto-punição, cumprirei com um jogo de suspensão, que será cumprido, aproveitando a necessidade de comparecer à outro compromisso, na 18ª rodada, 3ª feira, dia 10 de março.
Quanto as regras da ética em si, não podemos nos esquecer que elas são determinadas pela moral e o agir comum consagrado por um determinado país ou grupo social. Diferentes grupos sociais poderão viver com regras éticas totalmente diversas. O que vale para um grupo poderá não valer para o outro grupo. Isto poderá ocorrer nas formas de se vestir, de se alimentar, de professar a fé, de agir em defesa da honra e da sobrevivência. Dentro de um grupo, como o nosso, as regras terão que ser universais, ou seja, as mesmas regras deverão necessariamente valer para todos os elementos do grupo, do mesmo jeito, peso e forma.
Quem sabe, a partir deste episódio, procuremos todos seguir a considerada regra de ouro da ética: "Não fazer aos outros aquilo que não queremos que façam comigo". Que tal então, procurarmos ceder, no momento justo, o nosso lugar na quadra ao parceiro da vez; não "apitar" o jogo anulando gols legítimos, validando ilegítimos, "surripiando" laterais, negando faltas e parando de forma irregular jogadas vencidas, com o intuito único de evitar a sua progressão por parte do time adversário; não deixar de anotar, conscientemente, os gols do time adversário, ou anotar, indevidamente, um gol a meu favor; não procurar levar qualquer vantagem, a não ser quando justa e previamente combinada, sobre qualquer integrante do grupo. Quem sabe aí fique mais fácil e prazeroso para todos, sem exceção, cumprir com a regra de ouro da ética, pois todos a estarão cumprindo.
Ficha Técnica - 17ª rodada - 6ª feira - 06.03.2009
Azul (9): Valdir, Léo, Celso (1), Miguel (3), Foguinho (4) e Valdemar (1).
Laranja (7): Eduardo, Ademar (2), Beto, Chico, Paulo Pires, Maninho (3) e Hélvio (1).
Nota 10: Clenir, pilotando, como sempre, a churrasqueira.
Mesário: Beto, Goiabinha.
Visitas: Bruno, filho do Foguinho, Gabriela e Luana, netas do Clenir, Thaniel, filho do Eduardo, Diego, filho do Valdemar. Além deles, Sandra, Cláudia e Marlene, acompanhando os maridos Hélvio, Celso e Clenir respectivamente.

Frase do dia: Outras regras, mais universais, sobre ética.

1. “Neminem laedes: immo omnes, quantus potes, juva” “Não prejudiques ninguém, mas ajude os outros na medida do possível” Schopenhauer
2. "Tentar não prejudicar pessoa alguma minimamente e eliminar da mente qualquer pensamento negativo, fazendo um exercício diário e ter uma certeza de que não estamos aqui à-toa, mas para cumprir o destino da evolução. Que somos caminhantes, sem dependências ou estabilidades. Quem não percebe isto se torna escravo do desnecessário e polui a mente”. Ioguina indiana Dadi Janke.

quarta-feira, março 04, 2009

16ª rodada - Desânimo leva à goleada: 12x4


Desânimo, no futebol, pode levar à goleada. Principalmente se o time desanimado tiver pela frente um adversário determinado à vencer. Assim também ocorre em todos os demais aspectos da nossa vida.
O fator determinante e perigoso que pode levar um grupo a se render antes do tempo, é a falta de persistência e a forma negativa de se encarar certos desafios. O pior, é que o desânimo pode partir apenas de um integrante do grupo, que, pela sua atitude desconfortávelmente negativa, acaba contaminado todo o grupo.
Reconhecer certa carência no seu time e alguma superioridade no time adversário, se consistente, pode ser uma virtude que não deveria servir de motivo para desânimo, mas, ao contrário, de estímulo para a superação e da busca, através de uma estratégia, de formas para minizar os prejuízos e, quem sabe, heróicamente derrotar o "Golias" da hora. Penso ser esta também a atitude que deveríamos adotar perante os percalços da vida. Ou não? A derrota, como a vitória, são "coisas" do jogo e da vida. Render-se a ela, sem lutar, não deveria ser atitude de ninguém, muito menos a de um gaúcho! E se for Forasteiro, então, nem se fala!!!
Ficha Técnica - 16ª rodada - 03 de março de 2009:
Laranjas 12: Eduardo, Léo (2), Celso, Chico (4), Paulo Pires (2), Geraldo e Miguel (4).
Verdes 4: Ildo, Clenir, Feck, Ademar (1), Beto, Hélvio, Maninho (2), Valdemar (1).
Nota 10: Foppa, de plantão como atleta.
Mesário: Beto, o Goiabinha.
Visitante: Dona Sandra, a Sra. Gomes.
Copa: O casal sempre atencioso, Foppa e Helga.
Frase do dia: "Gutta cavat lapidem, non vi, sed saepe calendum".
A gota perfura a pedra, não pela força, mas sempre caindo.

segunda-feira, março 02, 2009

Três Forquilhas - a bucólica cidade do Foguinho.

História: Situada junto ao litoral gaúcho, entre os municípios de Osório e Torres, à esquerda da BR 101 e da Estrada do Sol, de quem vem de Osório e de Caixas, Três Forquilhas, a bucólica cidade do nosso amigo Forasteiro "Foguinho" Tietbohl, é um achado para quem quiser viver perto do mar e num lugar traquilo. Rios de águas limpas, boas para a pesca e o piquinique, longe da confusão da cidade e perto de praias como Curumim, Arroio Teixeira, Torres, Capão Novo e outras. Na foto acima (clique para ampliar), temos uma visão do vale onde ela se situa e da linda região que à cerca.
A origem do nome deve-se a um fenômeno geográfico formado pela confluência de três braços de rios, a que os primeiros portugueses deram o nome de Três Forquilhas. O município, situado no Vale do mesmo nome, no norte do Rio Grande do Sul, é uma região previlegiada, com rios, montanhas, terras férteis, vegetação e um enorme potencial econômico. Provavelmente o lugar começou a ser ocupado pelos portugueses desde o primeiros tempos de ocupação litorânea, que ocorreu a partir de 1725, mas um registro conhecido de sesmaria, concedida a Antonio Cardoso de Lima, data de 1821. Em junho de 1827, começaram a chegar os alemães (146 pessoas), principalmente protestantes, que, em novembro de 1826, tinham chegado a Torres trazidos para colonizar a região. Os descendentes destes colonizadores, agregados aos nativos portugueses e de outras nacionalidades, formam a comunidade atual. A sede também é conhecida por Porto Alégio, em homenagem a família italiana Alágio, que instalou-se no Rio Chapéu para comercializar produtos do local e da região para Porto Alegre via navegação lacustre. Como distrito de Torres, em novembro de 1938, mudou o nome para Três Irmãos. Em dezembro de 1944 mudou o nome para Guananazez e, em 1958, volta a receber, agora de forma definitiva, o nome de Três Forquilhas. A economia é agrícola, hoje com predomínio na produão de hortigranjeiros, como cenoura, beterraba, repolhos, etc. Sua economia já foi baseada na produção de banana, feijão e cana, cujo produto era encaminhado para as fábricas de rapaduras e cachaça.
O município de Três Forquilhas é um dos grandes potenciais turísticos da região, considerando-se os vales belíssimos,o cenário dos morros e montanhas com vegetação preservada, os rios e as cascatas de água cristalina, como a da Pedra Branca, no distrito de Boa União.
Esta é resumidamente a história de Três Forquilhas, na qual fiz pequenas correções de texto que achei necessárias serem feitas. Não posso deixar de incluir no rol dos aspectos positivos que lá existem, as palavras mágicas "qualidade de vida".
Para acessar o original desta história, é só entrar no site da Secretaria de Turismo do Rio Grande do Sul abaixo informado e de outros sites disponíveis na internet.
Outros dados e fotos do município:
Criado pela Lei n° 9597 de 20/03/1992, Três Forquilhas emancipou-se de Torres e tornou-se um dos mais simpáticos municípios do estado. Distante 156 km. de Porto Alegre, pode ser acessado pela BR 101 e pela RS 417. Seu município possui uma área de 216,5 km², seu clima é subtropical e fica a 15 metros acima do nível do mar. Foto da Câmara dos vereadores. Prédio simples, sem luxo, como todos os prédios das Câmaras dos Vereadores pelo Brasil afora deveriam ser. Em 2005, sua população total era de 3179 pessoas, 56 à menos do que no censo de 2000 e 72 à menos do que 2004.
São os lamentáveis casos de diminuição de população, causados pela necessidade dos filhos irem em busca de oportunidade de trabalho e estudo longe da terra natal. Dela, em torno de 10%, mais ou menos 315 pessoas, vivem na zona urbana e 90 %, mais ou menos 2860 pessoas, vivem na zona rural. Regionalmente, Três Forquilhas integra as regiões políticas do Cored Litoral, da Microrregião do IBGE de Osório e da Mesorregião do IBGE da região Metropolitana de Porto Alegre. Foto do Hospital da cidade.

Mais informações e fotos podem ser acessados pelos sites:

Home page da Prefeitura: http://www.tresforquilhas.famurs.com.br/

Home page da Secretaria do Turismo: http://www.riogrande.com.br/municipios/tresforquilhas.htm Foto de casa antiga, provávelmente construída pelos primeiros moradores da região.

Home page com mapa da uol: http://maplink.uol.com.br/v2/Sul/Rio-Grande-do-Sul/Tres-Forquilhas_4101.htm

Home page com fotos, da nutep UFRGS: http://nutep.adm.ufrgs.br/munisRS/mun459.htm

Para contatos no município:
E-Mail da Prefeitura: pmtf@terra.com.br.
Outros telefones úteis em Três Forquilhas:
CRPO/LITORAL - Grupamento de Polícia Militar
Endereço: Estrada Geral, s/n
Telefone: (51) 3628-5110
CEP: 95600-000
Foto de casa simples, mas antenada com o mundo através da antena parabólica.

domingo, março 01, 2009

Fevereiro: nos últimos segundos, deu Paulo Pires.


Depois de uma paulada dada pelo Maninho na cobrança de uma falta, aproveitando brecha dada pela barreira formada pelo Ademar e pelo Miguel, e de uma dificílima defesa feita pelo Eduardo, o Chico, se aproveitando da falta de cobertura da zaga, toca a bola para o fundo das redes e dá números finais ao placar da partida em 3x2, definindo assim o título de campeão do mês ao Paulo Pires.
O placar do jogo foi aberto para os Laranjas também pelo Chico, aproveitando-se de uma saída errada do Léo. Pouco depois, com jogadas bem armadas pelo Celso, o Miguel empatou e virou o jogo para os Verdes. Na sequência, o time dos Verdes, em bolas roubadas pela defesa, armou contra-ataques e perdeu 12 chances de ampliar o placar, sendo 10 delas através do goleador disparado de todos os tempos dos Forasteiros, Miguel, que, cara a cara com o goleiro Ildo, ou arrematava para fora ou para grandes e consagradoras defesas.
O empate veio quando faltavam uns 10 minutos para terminar o jogo. Os comentários dos companheiros de time e espectadores responsabilizaram o Léo pelo gol, por ele ter realizado uma possível enfeitada, quando tentava, com o goleiro Eduardo, tirar a bola de dentro da área. Devia, era o comentário, ter dado um bico para longe ao invés de tentar "enfeitar" passando a bola para o contra-ataque dos companheiros que, diga-se para o bem da verdade, estavam, após terem perdido a bola no meio da quadra e criado todo o "redevú", assistindo, como se expectadores fossem, o desfecho do lance. Aliás, foi só mais um dos muitos lances em que parte do time parou deixando a responsabilidade da marcação para um defensor e o goleiro Eduardo. Nos outros, boa parte dos contra-ataques iniciaram exatamente assim.
Este resultado ainda dava para o Léo o bicampeonato do ano. Só que, depois de perder as inúmeras oportunidades já citadas e faltando segundos para terminar o jogo, veio o gol da (re)virada, contado acima, e a definição do campeonato, com méritos, para o Paulo Pires.
No mais, o jogo transcorreu normal, com dúvidas sobre de quem era a posse de bola em algumas saídas laterais, com a correta anulação do gol dos Verdes quando o jogo estava parado, com a correta interpretação de que a bola chutada pelo Foguinho no poste do gol defendido pelo Eduardo não havia entrado, com a correta marcação da falta cometida pelo Ildo em defesa feita fora da área, e com a correta repetição da cobrança da falta, pelos Laranjas, que resultou no último gol do jogo e que definiu o placar. Mesmo que a primeira cobrança tenha sido cobrada corretamente, que o desarme e o contra-ataque que os Verdes estavam armando era válido, foram os próprios Verdes, através do Ademar e do Miguel, que pararam a jogada e exigiram que a falta fosse cobrada novamente. Os corneteiros dizem que o Paulo Pires, depois do jogo, brindou-os com uma loira geladíssima. Não se sabe por qual dos motivos
Ficha Técnica:
Laranja - Ildo, Maninho (1), Paulo Pires, Chico (2), Beto, Foguinho e Valdemar.
Verde - Eduardo, Feck, Léo, Ademar, Celso, Miguel (2) e Hélvio.
Nota 10: Geraldo, que chegou pelo meio do jogo, e Clenir, que mais uma vez pilotou a churrasqueira.
Visitas: Sras. Borges, Vieira e Gomes, Marlene, Salete e Sandra respectivamente.
Copa: com o sempre elétrico Foppa, sua esposa Helga, cunhada Celita, que trouxe lembranças e um abraço para todos os Forasteiros do filho Jorge, que esteve a poucos dias aqui e que estuda no seminário de Bom Princípio, e da sobrinha Ângela, irmã da Angélica, que quando visita os tios tem gentilmente nos atendido, ambas filhas da dona Celita.

Arquivo do blog