NOSSOS BLOG'S

BLOGS: * das Xerifas - FORASTEIROS: * Tradição
Aqui, quando mortos, viveremos, quando mudos, falaremos.

segunda-feira, julho 09, 2007

Superação x Excesso de confiança - ingredientes para se parir uma zebra

Penso que o jogo de 6ª reprisou, de certa forma e guardando-se as devidas proporções, a luta bíblica entre David e Golias. O David, representado pela equipe Laranja, apresentava na sua escalação um grupo de atletas técnicamente inferiores ao time Verde, o Golias da história. Cinco títulos, dos seis do ano, estavam com seus campeões presentes no time Verde, além do seu principal goleador e do goleiro mais regular e tranqüilo do ano. O Laranja jogava com um goleiro linha e tinha no seu elenco os dois atletas mais vazados do campeonato. Para dar mais razão àqueles que consideravam a derrota do time Laranja só uma questão de tempo e de se saber por qual diferença, aos 10 minutos o jogo já apresentava um placar de 3 x 0 pró Golias. O que houve então para que no final David derrubar e derrotar o todo poderosos Golias? Penso que, antes de mais nada, foi David reconhecer-se como inferior e preparar, a partir daí, uma estratégia para derrubar o confiante Golias. Correndo o risco de ser massacrado, desdobrou-se atrás marcando com um jogador a menos e aproveitou o poder de conclusão de um atacante adiantado. Otimizando as características dos seus jogadores, superou-se e chegou à vitória. Os marcadores, Feck, Léo e Clenir, preocuparam-se mais em marcar e não deram moleza para o forte ataque adversário, que cedo perderam a força do Foguinho, mas que se movimentava muito com o Maninho e o Celso. Nas conclusões, havia sempre o perigo das finalizações fortes do Miguel e do Ademar e, nas penetrações, com a chegada surpresa e por trás deles, do Hélvio e do Beto. Com a defesa bem postada e os gols não mais saindo, o time Verde se abriu e oportunizou ao Chico e ao Valdemar, que ajudavam na marcação do time Laranja e faziam bem a ligação com o ataque, a criarem, a partir da roubada da bola, contra-ataques que oportunizaram ao Paulo, que não tem na marcação a sua principal característica, mas que conclui muito bem, ter a felicidade de marcar em cinco ocasiões. Mesmo com boas defesas, o Ildo nada pode fazer. Na outra goleira, se havia a desvantagem do Diego ser menos goleiro debaixo dos paus, havia a vantagem da sua saída para a linha, que ajudou a dar mais força ao ataque do time Laranja, sendo ele ainda o responsável por um dos nove gols. No final, esta maçaroca de acontecimentos acabou fazendo com que, de um lado, o excesso de confiança, e do outro, a superação, acabasse parindo uma Zebra.
Postar um comentário

Arquivo do blog