NOSSOS BLOG'S

BLOGS: * das Xerifas - FORASTEIROS: * Tradição
Aqui, quando mortos, viveremos, quando mudos, falaremos.

domingo, novembro 11, 2007

Os limites de uma falta

Interessante o que o Hélvio apresenta sobre as regras do futebol. Primeiro, que fica claro que não existe, a não ser como lenda urbana, falta não vencida no Futsal. Tanto na regra do Futebol de Campo como na do salão, jamais o time que cometeu a falta pode ou deve ser beneficiado. Logo, interromper uma jogada, onde o time que levou a falta continua clara e favoravelmente com a posse da bola, principalmente em casos de possibilidade clara de gol ou em contra-ataques, é, pela regra, erro de arbitragem. É compreensível que, na hora de um lance rápido, o juiz, no reflexo, interrompa o jogo indevidamente. Mas não deixa de ser um erro de interpretação. Num lance sem maiores consequências, até para acalmar e chamar a atenção do atleta faltante é, de bom tom, interromper sempre o lance.
Também está certo o Hélvio ao apresentar como falta, a intenção ou ameaça de se comete-la. Ou seja: se o prosseguimento de uma jogada sofre alguma alteração pela interferência da intenção ou ameaça de falta, ou ainda, pela violência ou força desproporcional da intenção, o árbitro deve observar o lance como falta e marcar seguindo o mesmo critério da vantagem acima. O lance segue a mesma regra da vantagem, e, se o caso for de punição por cartão, aplicá-lo assim que a jogada for concluída.
O que podemos exigir do árbitro é que ele, dentro da seriedade que lhe é exigida e dentro da condição humana que lhe é peculiar, seja um intérprete atento e um juiz justo do lance. Agora, o que não podemos exigir do árbitro é que ele consiga interpretar a subjetividade humana ou se torne um adivinho. Querer que ele interrompa uma jogada em que um atleta pensou ou até tentou agir para interromper uma jogada, mas que foi minimamente atrapalhada ou mesmo notada, já é pedir demais. Por este caminho, estaremos exigindo que ele, além do ponto eletrônico, carregue junto uma bola de cristal. Ou quem sabe, adaptamos a do jogo a esta necessidade. A FIFA, que já pensa em encher as bolas futuras com sensores que possam auxiliar aos árbitros em lances duvidosos, como decidir se uma bola saiu de campo ou entrou em gol, poderia dar uma incrementada e instalar um "interpretadometro" ou "intencienadometro". Do contrário, vai ser difícil exigir que os árbitros se tornem adivinhos.
Fui
Postar um comentário

Arquivo do blog