NOSSOS BLOG'S

BLOGS: * das Xerifas - FORASTEIROS: * Tradição
Aqui, quando mortos, viveremos, quando mudos, falaremos.

sábado, fevereiro 26, 2011

Porque não ceder? quando não se tem razão principalmente...

Uma nova onda de discussões, orgulhos feridos, imposição de ponto de vista, corporativismo (não de todos) esta tomando conta novamente dos Forasteiros dentro da quadra. Esta situação nos remete para momentos muito desagradáveis que aconteceram no passado e que podem estar voltando. Aconteceu discordâncias nos ultimos dois jogos e ninguém cedeu, com exceção do ultimo jogo que foi cobrado uma "mão" do Maninho, erradamente, e alguns integrantes do time beneficiado não concordou ou não quis levar adiante a "ronha' devolvendo a bola.

PARA SE PENSAR:
  • porque a belicosidade é tão grande quando estamos dentro da quadra ?
  • o que se perde cedendo quando não temos razão?
  • o que se perde cedendo quando temos razão?
  • porque é tão difícil voltar atrás no conceito da jogada?
  • Será que eu não interpretei ou não vi direito a jogada?
  • Porque eu tenho certeza de tudo em todas as jogadas?
  • Será que eu quero que meus companheiros me acompanhem na interpretação errada?
  • Será que ceder, principalmente quando não tenho razão, não contribuiria para melhorar o ambiente?

REGRAS:

  • A regra de não poder atrasar a jogada para o goleiro veio em boa hora.
  • Cobrar infrações com a bola parada : lateral, faltas, inicio e reinicio de jogo deve começar urgente, os inicios vi poucas pessoas fazerem, mas lateral é a toda hora.
  • é ridiculo que alguns segurem a bola para amarrar o tênis, bem como esperando para o companheiro entrar, nas trocas. (com exceção de lesões).

Este comentário serve inclusive para mim em certas situações (do passado contra donos da verdade), não sou melhor que ninguém, mas estou me contendo, mas há certas coisas que temos que tomar partido, mesmo que de leve, senão degringola, um jogo que tenha problemas dentro da quadra, pode ajudar no mau humor de fora da quadra, aconteceu várias vezes, a maioria foi falta de alguém ceder, não dói. (muito).

Postar um comentário

Arquivo do blog